Make your own free website on Tripod.com

GAUTIER THÉOPHLE

Nasceu em 1811. Estudou pintura em Paris, renunciando para estudar à literatura e ao jornalismo. Foi um dos chefes do Cenáculo que, por volta de 1835, reuniu certo número de poetas e jovens artistas partidários do romantismo, do qual se afastou mais tarde. Sua obra é vasta e dela podemos citar "Albertus" (1822), "La comédie de lamort" (1852), "Mlle. De Maupin" (1835), "Le roman de la momie" (1858), "Le Capitaine Fracasse" (1863), "Le Jeune-France" (1832), "Les grotesques" (1833), "Histoire de L'art dramatique depuis vingt-cinq ans", (1858), "Histoire du romantisme" (1874), narrativas de viagens, etc. Morreu em 1872. (neo-classisita anacrônico)


A ARTE

Sai mais perfeita e trabalhada
E nobre e rara,
A obra, entre esforços, acabada:
Esmalte, verso, ônix, carrara…

Nada de adorno contrafeito
E jóia falsa,
E, para que marches direito
Musa, um coturno estreito calça!

Despreza esse ritmo vulgar,
Como um sapato largo, a modo
Que o possa todo 
Pé descalçar e recalçar.

O próprio barro que na tua
Mão, escultor, vive – se dele
Teu pensamento além flutua,
Forte, repele!

Luta e porfia contra o paros
Duro e o carrara, a jeito, apura,
Esses, os fiéis guardas avaros
Da Forma pura.

Toma emprestado a Siracusa
O bronze fino e eterno, por
Onde se acusa
O traço firme e encantador.

Tu, de mão leve, cuidadosa,
Na ágata firme, de buril
Talha em figura esplendorosa
Fébeo perfil.

Pintor, despreza as aquarela,
E fixa a cor
Leve, da cousas mais singelas
No forno de um esmaltador.

E, das sereias
Azuis, voltando em convulsões
As caudas leves, de algas cheias,
Faze as figuras dos brasões.

Dentro em seu limbo triobado,
A Imaculada e o seu Jesus
Coloca e o Globo, este encimado
Da mesma cruz.

Tudo passa! Mas o robusto
Traço do Artista à eternidade
Resiste: o busto
Resta onde, outrora, foi cidade.

E, na medalha soterrada
Que acha, no campo, o lavrador
Fina, gravada
Fica a imagem do imperador.

Os próprios deuses morrem… Não
Morrem, no imenso, atormentado,
Na Forma escrava
Fique num bloco eternizado!
(Trad. de Carlindo Lellis)

FOLHETIM | LITERATURA | GRAMÁTICA | CONTATO | HTML