Make your own free website on Tripod.com

RIMBAUD

Jean Nicolas Arthur RIMBAUD, nasceu a 20 de outubro de 1854, em Charleville, nas Ardennes. Várias vezes procurou escapar ao ambiente estreito de sua terra natal, mas só depois de ter iniciado correspondência com Verlaine, a quem mandara seus versos, foi que se transferiu para Paris. Morou com Verlaine, e por fim novamente com o outro das Festas Galantes Viajaram juntos, em seguida, pela Inglaterra e pela Bélgica, até 1873, época em que se deu o rompimento entre ambos. Voltou a Paris e a Charlevile, indo para Londres, como professor de línguas. Viajou pela Alemanha, deu baixa e voltou a Paris. Em breve partia para a ilha de Java, levando vida errante e embarcando como intérprete num navio inglês. Foi empregado de circo, visitou o nordeste da África, foi fornecedor de armas ao Négus da Abissínia. Morreu em 1891. Publicou "Une saison en enfer", "Les illuminations", "Poesies completes", etc.

OS CORVOS

Quando o frio envolve os campos
quando  nas desoladas aldeias
o longo "Ângelus" se cala
sobre a natureza despida,
fazei, Senhor, dos altos céus,
descer os deliciosos corvos amados.

Estranho exército de graves clamores,
os implacáveis ventos vos assolam os ninhos.
Ao longo dos barrentos rios,
sobre as estradas de velhos cruzeiros,
sobre casebres e velas,
dispersai-vos, confundi-vos.
Aos milhares, sobre os campos de França
onde repousam os mortos de ante-ontem.
voai, volteai, ao frio de inverno,
para que os passantes meditem!
Sede os pregoeiros de dever,
ó nossa negra ave agoirenta!

Mas, Senhor, no alto do carvalho
- mastro perdido na noite enfeitiçada –
deixai as toutinegras de maio
para aqueles que, no fundo da floresta,
sob a relva de onde não se pode fugir,
estão esmagados pela derrota sem esperança!
(Trad. de Xavier Placer)
AS CATADEIRAS DE PIOLHOS

Quando a mente do infante, em rubra tempestade,
Implora o alvo tropel dos sonhos indistintos,
Duas ternas irmãs vêm cheias de bondade,
Ao pé do leito em que despertam seus instintos.

Sentando-o junto a um vão de porta escancarada
Ao ar azul que banha os bosques e os rosais,
Na espessa cabeleira, ao mormaço orvalhada,
Passeiam com afã dedos finos mortais.

Ele ouve-lhes cantar, lenta, a respiração,
Com doçuras de mel vegetal e rosado,
Que a espaços interrompe ou a salivação
Ou o anseio de um beijo a custo recalcado.

Cílios a palpitar, em morna sonolência,
No silêncio anormal, ele ouve… e cerra os olhos,
Enquanto os dedos com elétrica insistência.
Dão sob as unhas reais mortes aos pequenos piolhos
O vinho da preguiça, o néctar das delícias,
Suspiro musical, o invade e faz sonhar…
E então, nele incessante, ao torpor das carícias,
Surge e morre um desejo imenso de chorar…

(Trad. de Raymondo Magalhães Júnior)

AS VOGAIS

A negro, E, branco, I, rubro, O, turquesino,
Vossa origem latente hei-de cantar em breve.
O enxame que a zumbir de um pântano se eleve,
"A", teu negro veludo esmaltado de ouro fino;

E, brancura ideal das tendas cor de neve,
Umbelas de alvos reis, lanças de gelo alpino;
l, sangue em jorros, 1, púrpura em chamas, hino
de cólera que, a rir, num lábio em flor se atreve;

U, círculo do mar nos glaucos horizontes,
Verdes pastos sem fim, rugas sulcando as frontes
Dos que buscam da ciência os íntimos refolhos;

O'fanfarras, clarins, trons de vitória, brados
O'silêncios azuis de anjos e sóis povoados,
O'clarão vesperal, violáceo, dos seus olhos!
(Trad. de Onestaldo de Pennafort)

O DORMINHOCO DO VALE

Era um recanto verde onde um ribeiro canta,
Prendendo às ervas seus farrapos de cristal
E rebrilhando ao sol que, loiro, se levanta.
Era um pequeno e verde e luminoso val.

Sobre a erva, um soldado, a boca aberta, inclina
A fronte nua sobre os verdes agriões.
Dorme. E sobre o seu leito estende-se a neblina
E vai chorar a luz seus macios clarões.

Os pés nos juncos, face pálida e risonha,
Parece uma criança adormecida; e o sonha…
Aquece-o, Terra-Mãe! E acalenta-o com jeito!

Mãos sobre o seio, em cruz, dorme tranqüilamente;
nem os beijos da luz, nem os perfumes sente…
E dois cravos de sangue abrem-lhe sobre o peito.
(Trad. de Onestaldo de Pennafort)

FOLHETIM | LITERATURA | GRAMÁTICA | CONTATO | HTML